sexta-feira, 27 de março de 2009

Chorei muito e muito... de novo


Oi pessoal,
A muito tempo atrás, eu chorei muito com o filme Lado a Lado (Stepmom - 1998). Muito tocante, conta a história de duas mulheres que aprendem a conviver lado a lado: a ex-esposa, mãe de uma pré-adolescente e um menino e a atual namorada e futura esposa do pai. Com o detalhe que a mãe descobre estar doente, o que nos leva a uma boa parte do chororô.

Mas, agora que sou mãe... parece que o chororô aumentou... mal consegui assistir o filme completo... cheguei a soluçar...

A cena que mais me emociona é quando a mãe (a charmosíssima Suzan Sarandom) chama a "madrasta" (a belíssima Julia Roberts) para uma conversa:
Madrasta - meu maior medo... me vejo em seu casamento, mexendo em seu cabelo, afofando seu vestido... dizendo que não há na Terra noiva mais linda do que ela... e o pensamento dela é só um: eu queria minha mãe comigo
Mãe - e o meu maior medo é: que ela não tenha esse pensamento

Essa cena (não está com o diálogo exato, mas é mais ou menos isso) é linda...

Bem, é isso... só prá dizer o quanto chorei na terça.
Mulher é boba, né?

Rsrrss
Bjks

6 comentários:

lioness disse...

Nem me fale. Lembro bem desse filme. Eu o assisti no cimena, em seu lançamento no Brasil. Uma choradeira só também. Não quero nem pensar na história, é de cortar o coração.

Aninha disse...

ah, como eu amo esse filme. mas mudo de canal se não to a fim de me debulhar em lagrimas. minhas cenas prediletas são a da dança com os dois filhos, pelas escadas, com as cortinas da cama dossel e a que ela acorda a menina de madrugada para ir passear, que está nevando. poucos filmes são tão tocantes assim...

Ggel disse...

Eu chorei também quando vi esse filme a primeira vez, mas sabe o que me eixa mais triste nisso tudo? É que a Globo tá passando um filme tão antigo...esse filme é excelente, mas é de 1998, nossa...tá muito velho. Que falta de investimento, né? E olha que tem filmes novos que são tão bons quanto esse, mas vamos falar do filme...rs.
Essa parte que você citou é a mais triste mesmo, impossível não se colocar nessa situação e o que dói mais é ver que mesmo depois que a gente for embora, o mundo via continuar a girar. Dá um medo e eu sempre penso: será que fiz a diferença? Vou ser lembrada com carinho por alguém? Ai ai ai...nem quero pensar nisso.
beijo

Natália disse...

Aii esse filme é lindo demais. Ele inteirinho é lindo, mas as cenas que a Aninha citou são especialmente tocantes.
Quantas mil vezes o filme passa, mil vezes eu assisto e mil vezes eu choro.
Mulher é bobona mesmo. Tão bobona que só de ler o post sobre o filme você já me fez chorar.
E olha que eu ainda nem sou mãe... =]

Beijos

Carol Maria disse...

Eu também choro de soluçar, e nem vergonha sinto :P Discordo de Gelecase o filme é bom, tem mais é que passar mesmo. Vááárias vezes já fiquei madrugadas acordada para ver filme antigos (e antigos entenda de 1960 e guaraná de rolha para trás!) que considero ótemos. Claro que se o filme é ruim, nem deveria passar uma vez, que dirá várias, mas, sacumé televisão né fía... às vezes nem a paga salava.

Shu disse...

Eu a-mo! Choro de solucar e nao tenho vergonha de repetir!
E voce Marcitcha realmente colocou a melhor "frase" do filme mesmo.

Beijo