sábado, 28 de fevereiro de 2009

Que feio que é mentir!


Uma grande mentira comoveu parte dos brasileiros que ficaram estarrecidos de como a violência pode estar tão presente e de forma tão cruel num país de primeiro mundo. Não que não exista maldade no coração das pessoas que habitam paises desenvolvidos, mas nos choca um compatriota sair de sua terra natal para sofrer o tipo de abuso que a moça dizia ter sofrido. Eu confesso: acreditei! Tudo tão detalhado, tudo tão arquitetado. Ela admitiu ter feito declarações falsas à polícia de Zurique na semana passada, quando disse ter sido atacada por três neonazistas e ter perdido filhos gêmeos dos quais afirmava estar grávida.
Como estratégia de defesa, argumenta-se que a mentirada toda foi conseqüência de distúrbios emocionais causados por lúpus. ( o lúpus é uma doença inflamatória que, entre outros sintomas, poderia provocar distúrbios psicológicos), mas pra mim a doença da moçoila é outra: Vontadis de Apareceris. Essa doença também tem como sintoma falta de vergonha na cara, desrespeito às pessoas próximas (como o pai que certamente tinha mais o que fazer no Brasil e se despencou para Suíça pra dar colo pra retardada) e falta de amor próprio.
O mentiroso acredita na sua própria mentira. Posso até ser polêmica, mas não acho que nada justifica uma mentira. Sou politicamente correta e me orgulho disso. Não jogo lixo no chão, não fumo perto de quem não fuma, separo materiais recicláveis e dôo coisas em bom estado que não vou mais usar e que ainda pode servir a outra pessoa. Não caberia na minha personalidade mentir. Não sou santa, quero deixar bem claro. Lógico que já aconteceu, mas acabei falando a verdade depois.
Tenho raiva de mentira. Não custa falar a verdade. Mesmo que magoe. Melhor uma verdade que magoa que uma mentira que ilude.
Em tempo:
Mãe, peguei da sua carteira uma “nota do índio”quando eu era criança.
Nathan, eu que fiz com talco as marquinhas do coelhinho da páscoa quando você tinha seis anos.
Pri, eu quis aquela sandália que você tava usando quando fomos para Florianópolis, por isso ela arrebentou (e eu ganhei)
Se eu lembrar de mais coisas, eu confesso. Juro que confesso. E sem dedinhos cruzados.

Seguindo a linha mulherinha, semana que vem falo de moda e estilo. Ah! Como eu to gostando disso, agora que caibo nos modelitos e me equilibro nos sapatinhos

8 comentários:

Pri disse...

Também fiquei estarrecida com o caso todo, acreditei na história contada pela moçoila e senti muita pena dela. Ainda lembro que disse: que absurdo, olha que fizeram com a coitada da garota!
Pois é, e depois a revelação, de que a propria tinha cometido auto flagelo.
Depois ninguém sabe pq a imagem do povo brsileiro é tão ruim lá fora...

PS. Ai, flor... nem lembrava mais daquela sandália...heheheheee!

Natália disse...

A Pri disse exatamente o que eu ia dizer.
No começo, fiquei morrendo de pena da "bichinha".
Aí depois ninguém sabe por que brasileiro é mal visto.

Eu acredito que gente que minta demais tenha alguma doença que eu não sei o nome. Eu mesma conheço um individuo que mente tanto mais tanto (e sem a menor necessidade) que já chegou a inventar que a própria irmã estava com leucemia.
Pode?
Só pode é ser doente uma pessoa dessas.

Beijos

lioness disse...

Mentira é a pior coisa que tem entre as pessoas - destrói relacionamentos, quebra a confiança.
Mas, mudando de assunto, garotas, amei o blog de vocês, é lindo demais, parabéns!

Lívia Brito disse...

Nunca imaginei que uma pessoa pudesse chegar a esse ponto, mas vimos a prova do que o ser humano é capaz.

Acabou com a própria vida!

Pri,
as nossas "torrentes" de pensamentos realmente são bem mais atraentes, mas há alguns que sinto necessidade de transcrevê-las para que não me perca o sentido.

Gostei do cantinho de vocês!
Beijos, ;*

Carol Maria disse...

Ah, Katita, eu que sou filha e neta de mineiros (descendentes de italianos e libaneses, rs), sou desconfiaaada "no úrtimo!", como dizem por aqui. Na hora achei tudo muito estranho, gente, quer lugar mais "sussa" que a Suíça?! 'Tá tendo não! E eu também sou péssima mentirosa: passo mal fisicamente, fico zonza, suo feito uma porca parindo, gaguejo, não cola mesmo que eu quisesse, rs. Sempre falo a verdade, sou sincera "demais" (como se sinceridade se pudesse medir...) isso pode até incomodar algumas pessoas, mas eu sempre digo apra quem se incomoda com minha super-sinceridade: tem de se incomodar com quem mente pra você, não comigo! :*cas, adorei o post espero o seu post mulézinha hein. E 'ocê também por aqui, uai!

geny_tavares disse...

hahahahahahaha...eu tô rindo das coisas que você confessou no final. Mas essa história da brasileira é terrível...não se faz, né? Mexer com a solidariedade das pessoas dessa força, não se faz.
beijocas

Marcia disse...

Oi K, pois eu tava ensaiando um post sobre esse assunto... que prá falar a verdade, achei tudo um absurdo desde o começo... e agora, jogar a culpa em lupus... sei nao... mas enfim...
Todo mundo mente um tiquinho na vida (como fazer os filhos acreditar em Papai Noel e coelho da Páscoa), mas o que aconteceu foi terrivel...

Bjks

Fernanda disse...

Oi Kátia!

Ah ... essa história dessa brasileira é muito estranha. Eu também concordo com você: provavelmente, a "moçoila" sofre de
"Vontadis de Apareceris" e, para sair na mídia, tem gente que faz de tudo. Este é um exemplo que ilustra bem isso.

Péssimo. Só posso dizer isso. E a imagem do país lá fora, que já não é das melhores, vai para as "cucuias!"

Mudando de assunto: li seu post anterior. Parabéns por ter enfrentado o problema e ter se dado uma nova chance! Parabéns, também, por ter amigos tão especiais! Só pessoas especiais cultivam outras pessoas especiais nas suas vidas!

Boa sorte na "nova vida!"

Beijos !

Fernanda