quinta-feira, 14 de junho de 2007

E na semana dos namorados...

Um texto antigo, mas que eu gosto muito:

O dia dos namorados foi essa semana, mas não há como não ter se lembrado dessa data. Por onde você passa só vê corações pendurados, é um mundo totalmente cor de rosa e apaixonado, pelo menos é assim que o comércio tenta dizer que é.
Bom, aproveitando o clima "love’s in the air", vou escrever uma das várias teorias que eu andei desenvolvendo aqui no meu pote de idéias furadas, vulgo cabeça, sobre os tipos de pessoas e sua forma de ver, e viver, o namoro.

Pessoa par: está sempre emendando um relacionamento com outro. Parece que não consegue sobreviver se não estiver com alguém, mesmo que seja só ficando. Ela precisa de alguém para receber e dar telefonemas constantemente, assim como trocar presentes, ir ao cinema e qualquer outro tipo de programa, pois simplesmente não consegue imaginar a vida pela perspectiva de alguém solteiro. Até mesmo porque, não conseguiu manter nenhuma amizade das antigas, a não ser os casais (deve ser porque ela só faz programas de casais). Isso não significa que nunca ficam sozinhas, até conseguem, mas também se desesperam e agarram o primeiro ser humano que lhes dá bom dia na rua. É triste de ver.

Pessoa ímpar: consegue transitar bem entre a solteirice e os relacionamentos mais duradouros. Não entra em parafuso se está sozinho. Consegue manter seu círculo de amizades mesmo quando está namorando, então, ao se encontrar em forma single tem sempre alguém para acompanhá-la numa balada ou simplesmente não fazer nada. Ao ser apresentado para uma pessoa não a vê como uma pretendente em potencial, mas se rolar um dia, quem sabe?

Pessoa primo: derivada do conceito matemático de número primo, aquele que só é divisível por ele mesmo ou por 1. Alguém com essas características é capaz de bater no peito com todo orgulho e dizer: nasci sozinho e sozinho morrerei. Não faz a menor questão de se apegar a ninguém, pois acredita que veio ao mundo a passeio, nada de criar vínculos ou levar um relacionamento a sério. Por que ficar com um se podemos ficar com vários? Quem é assim sempre tem muitos amigos porque, bem ou mal, não gosta de sair sozinho por aí, apenas tem horror à palavras como COMPROMISSO, RELACIONAMENTO e etc. Mas é feliz assim mesmo, desse jeitinho.

Pessoa Intersecção: conjunto que agrega as pessoas que possuem características de todos os grupos. Pessoas assim incorporam cada um desses perfis numa fase específica da vida. Às vezes são desesperadas, noutras desencanadas e em outras totalmente desapegadas. Talvez esse grupo englobe a maioria das pessoas, senão na essência, pelo menos na aparência.

Pessoa Conjunto Vazio: seu coração é feito de gelo...gelo seco...pra ser bem frio. Não se apega a nada, nem ninguém, porque se diz uma ilha. Não interage com o mundo, é praticamente uma planta de plástico, que não morre mas também não vive. A grande diferença entre ser Pessoa Primo e Pessoa Conjunto Vazio é que a primeira tem sentimentos, momentâneos, mas têm.

PS. Bom final de semana dos namorados e aproveitem MUITO bem.

10 comentários:

Marcia disse...

Oi Ggeleca!
Como sempre, seus posts são ótimos!

Morri de rir.

Bjks

Chris disse...

Haaaa... se com pote de idéias furadas vc faz isso... que dirá se não tivesse furos!!!!
Ótimas observações!!!

loli disse...

sua teoria ñ é nada furada! é bem interessante! acho q sou intersecção! devia divulgar mais suas idéias!

Aninha disse...

Essa forma matemática de ver a vida amorosa é engraçada! A mensagem pode ser velha, mas eu não conhecia, não...
Abração!
P.S.: Aproveitamos muito bem!

Sissi disse...

aaaaaaaaaaaaa adorei seu post! beijos.

Thiamóteo disse...

Ahhhh, Geny! Nem vou falar sobre o dia dos namorados, que não passa de uma promoção comercial, uma iniciativa cínica que
merece toda minha indiferença! Hahahá! Mas, as teorias são ótemas e vou começar a tentar vê-las em algumas pessoas!
beijos

Sulamita disse...

Ai, meu deus!!! quem eu sou??? :D

Ei, meninas... tempo que não as encontrava. O blog anterior foi fechado e eu nem tinha idéia para onde tinha ido! Sorte que a Aninha passou no meu blog, né? :D Kibon voltar!

Bjoks!

LLola disse...

Gostei

Carol Maria disse...

Eu sou ímpar, rs. Nunca me apeguei a estar acompanhada, mas quando aconteceu abracei "di cum força" a idéia,rs. :*cas

Renata disse...

Ótimo post, Gel!

Adorei todas as teorias e as achei extremamente coerentes.
Sempre fui uma pessoa ímpar, pois nunca cheguei a me incomodar com o fato de estar sozinha, dando um bom tempo entre um relacionamento e outro.

Beijinhos,